10 anos de iPhone: O mito e a realidade por detrás do smartphone da Apple

Compartilhe com amigo(a)s! Obrigado. :)

10 anos de iPhone

Dia 29 de junho de 2017 marcou 10 anos desde que a Apple lançou o iPhone original, um evento que lançou o script em dispositivos móveis e mudou fundamentalmente a maneira como muitos de nós trabalhamos, jogamos e nos comunicamos. O design superior do iPhone e a interface de usuário multi-touch tornaram o smartphone atrativo e amigável. O que costumava ser um assistente digital caro para executivos ocupados, logo se tornou o acessório do Século XXI, que todos tinham que ter.

Faça um percurso online e você encontrará uma parada de histórias do 10º aniversário, refletindo sobre a história de sucesso estadunidense que é o iPhone. Mas a história é única? Pertence mesmo aos EUA? De que tipo de sucesso estamos falando?

Uma mitologia simples e poderosa reuniu-se ao redor do iPhone ao longo dos anos, com o principal motor da Apple, Steve Jobs, anunciado como sendo o inventor visionário do iPhone. Jobs, então a história continua, foi o sábio do design e o messias tecnológico que conjurou esse dispositivo místico que nos guiará pelo novo milênio.

Mas gostaríamos de questionar essa informação recebida, diz Brian Merchant, autor de um novo livro The One Device: The Secret History of the iPhone (O Aparelho: A História Secreta do iPhone, título em tradução livre). Merchant, um repórter e editor no site de ciência e tecnologia Motherboard, invade a história do desenvolvimento do iPhone, que muitas vezes é muito diferente da narrativa popular que se estabeleceu.

Merchante disse ter acompanhado a cobertura do 10ª aniversário com grande interesse. Ele disse:

Uma das coisas que eu estava tentando fazer com o livro é desmantelar o mito do inventor solitário, a ideia de que Steve Jobs inventou o iPhone. Essa é apenas uma mitologia abreviada que a Apple usou e é eficaz como uma ferramenta de marketing.

Embora Jobs certamente tenha contribuído de forma importante para o desenvolvimento do dispositivo, Merchant disse que a realidade é que o iPhone é uma tecnologia imensamente complexa, provocada por dezenas de pessoas dentro da Apple – e centenas de pessoas fora da empresa:

Estas eram tecnologias que vinham amadurecendo há décadas. A Apple não fez a maior parte do trabalho nessas tecnologias, mas fez um excelente trabalho as apresentando.

Como exemplo,  Merchant cita o recurso central do iPhone, a tecnologia touchscreen. Os dispositivos de tela sensível ao toque já estavam em uso bem antes do advento do iPhone, os caixas eletrônicos sendo um exemplo omnipresente. A aplicação da tecnologia pela Apple – a sua famosa funcionalidade “multi-touch” de beliscar e deslizar – foi lançada como um desenvolvimento visionário para dispositivos de consumo.

Mas de acordo com a pesquisa de Merchant, essa tecnologia não foi desenvolvida dentro da Apple. Ela foi comprada:

Na década de 1990, esse cara que teve tendinite severa, Wayne Westerman, desenvolveu esse produto para ajudar as pessoas a aliviar a tensão manual. Essa tecnologia – e havia várias versões disso – foi chamada de FingerWorks. Alguém da Apple a trouxe, porque eles sofriam de lesões por esforço repetitivo.

Os desenvolvedores da divisão de tecnologia de input (entrada de dados) da Apple tomaram conhecimento.

Em 2005, a Apple compra a tecnologia por atacado de Wayne Westerman, para que pudesse integrá-la ao iPhone. Dois anos depois, Steve Jobs está no palco e diz: ” Temos essa ótima tecnologia que a Apple inventou, chamada multi-touch, e nós a patenteamos”.

Merchant disse que, embora seja verdade que a Apple melhorou a tecnologia, talvez até a aperfeiçoando para o uso do consumidor, eles não a inventaram:

De todas as declarações enganosas no panteão, essa leva o prêmio, porque a Apple não de nenhuma forma ou maneira inventou multi-touch. Dizer isto é muito redutor e enganador.

A história do multi-touch é apenas um exemplo de desenvolvimentos que se perdem na mitologia do iPhone, disse Merchant. Há também a pequena questão de quem é que na verdade faz nossos telefones:

Lembremos das enormes operações de abastecimento, as centenas de milhares de trabalhadores na China que montaram essa coisa para nós. Os mineiros na Indonésia e no Congo e na Bolívia que retiraram as matérias-primas do solo em condições muito fatais. Olhemos toda a tapeçaria do esforço humano que tornou isso possível.

Merchant viajou extensivamente para pesquisar os detalhes da produção global de iPhone. Em uma passagem do livro, ele escolhe seus acompanhantes em uma fábrica de iPhone na China e realiza uma turnê não autorizada e auto-guiada das instalações.

A familiaridade Merchant com a verdadeira história do iPhone tornou-o particularmente sensível à cobertura de todos os 10 anos:

Tentei ficar de olho nisso. Vejo essa tendência de histórias repetidas, que Steve Jobs fez o iPhone, e eu realmente espero que o livro possa servir como uma espécie de contra narrativa.

Quanto ao futuro do iPhone e dos smartphones em geral, o Merchant disse que não está realmente no negócio de prognosticar. Mas ele ofereceu algumas idéias:

Minha opinião é que a evolução vai continuar muito devagar. Todos nós falamos sobre realidade aumentada e realidade virtual; novos recursos e direções. Mas a base básica do telefone inteligente não mudou muito em dez anos. Foi apenas iterado e reforçado e acelerado.

Agora que a Apple e seus concorrentes distribuíram esses dispositivos em todo o mundo, a Merchant acredita que o iPhone e seus imitadores estarão conosco por um bom tempo:

Isto se tornou tão padronizado, tão central para a forma como conduzimos nossas vidas diárias, que é muito mais difícil inovar radicalmente.  Como uma cultura, decidimos que realmente gostamos deste produto, este retângulo no nosso bolso. Ele está tão arraigado quanto o automóvel, e não tivemos mudanças verdadeiramente conceituais nesse projeto em décadas.

Então, sim, no espírito da especulação imprudente, talvez a ideia radical seja que nada radical vai acontecer. Realmente teremos esse retângulo em nossos bolsos por muito mais tempo do que qualquer pessoa possa pensar.

n3m3

Fonte


Compartilhe com amigo(a)s! Obrigado. :)