Glândula pineal: Tudo que você quer saber sobre ela

Compartilhe com amigo(a)s! Obrigado. :)

Glândula pineal

O famoso filósofo Descartes descreveu a glândula pineal como o “assento principal da alma”. Provavelmente você já ouviu falar que esta glândula é o “terceiro olho”, um ponto de chakra místico que reside no meio das sobrancelhas. Acontece que essas ideias não estão muito longe da verdade. O órgão endócrino pequeno, do tamanho de um grão de arroz, em forma de pinha conhecido como glândula pineal, fica sozinho no meio do cérebro e no mesmo nível que os olhos.

O que a glândula pineal faz?

Como você pensa e se sente todos os dias depende da glândula pineal. Como produtor do hormônio melatonina, a qualidade e a duração do sono dependem de quão bem ela produz esse hormônio. Este pequeno órgão regula seus ritmos circadianos diários e sazonais, os padrões de sono-vigília que determinam seus níveis hormonais, níveis de estresse e desempenho físico.

Quatro maneiras de ativar a glândula pineal

A ativação da glândula pineal pode ser útil para regular os níveis de humor, sono e energia. Aqui estão 4 maneiras de começar.

1. Saia de casa e vá para o Sol

A exposição solar ativa a glândula pineal e estimula a mente. Qualquer tipo de exposição à luz, direta ou indiretamente, ativa a glândula pineal, levando-a a produzir serotonina, que é o neurotransmissor responsável pelos níveis de humor e energia. É por isso que é crucial evitar a luz depois que o Sol se por, porque você precisa de sua glândula pineal para produzir melatonina e suprimir a serotonina. Este processo só pode ser realizado reduzindo tanto quanto possível a luz de fonte eletrônica e das lâmpadas.

 

2. Durma em escuridão completa

Um ambiente escuro garante que sua glândula pineal produza melatonina suficiente para garantir um sono bom e repousante. Certifique-se de evitar dispositivos retroiluminados como telefones, tablets, monitores de computador ou TV antes da cama. A iluminação desses dispositivos estimula a produção de serotonina, enganando sua glândula pineal para pensar que é durante o dia, confundindo seu ciclo acordado/dormindo.

 

3. Olhar ao Sol

Olhar ao Sol é talvez um dos exercícios mais controversos que você pode fazer para ativar a glândula pineal. Aqui está o básico da prática: nos primeiros 15 minutos de luz solar no início do dia e depois os 15 minutos finais de luz solar ao final do dia, você olha para o Sol por alguns segundos, mas apenas por um par de segundos. Novamente, olhar para o Sol tem seus riscos. Simplesmente se expor ao Sol e ter seus olhos expostos à luz indiretamente pode ajudar a estimular a glândula pineal, sem ter que olhar diretamente a ele.

 

4. Meditação

A glândula pineal responde aos sinais bioelétricos da luz e da obscuridade, e a meditação ativa essa energia bioelétrica. Com a prática, você pode aprender a direcionar essa energia para este órgão altamente sensível.

 

Problemas modernos com a glândula pineal

A calcificação é o maior problema para a glândula pineal. O flúor se acumula na glândula pineal mais do que qualquer outro órgão e leva à formação de cristais de fosfato. À medida que sua glândula pineal se endurece devido à produção de cristais, produz-se menos melatonina e a regulação do seu ciclo sono-sono é perturbada. [1] Pesquisa também informa que o endurecimento do flúor acelera o desenvolvimento sexual em crianças, particularmente em meninas. [2] E este é um problema sério, pois um estudo de 30 anos atrás relatou que 40% das crianças americanas com menos de 17 anos tinham calcificação pineal em processo. Desde então, vemos crianças, especialmente meninas, tendo o início precoce da puberdade. [3] Além do flúor, os halogenetos como cloro e bromo também se acumulam e danificam a glândula pineal. Os suplementos de cálcio também podem causar problemas. Sessenta e quatro por cento dos americanos são deficientes em vitamina D: o cálcio não se torna biodisponível e calcifica o tecido humano, incluindo a glândula pineal. [4] Eliminar o flúor pode ser o melhor primeiro passo para reduzir as preocupações com a saúde. Use pasta de dente sem flúor, evite a água da torneira e beba água filtrada. Para obter a melhor água filtrada, use um filtro de água de osmose reversa. Coma alimentos ricos em cálcio, em vez de tomar suplementos de cálcio.

 

Cinco maneiras de decalcificar sua glândula pineal

Se você foi exposto ao flúor, sua glândula pineal possui algum grau de calcificação, impedindo que ele funcione bem. Aqui estão algumas maneiras de descalcificar:

1. Tamarindo

O fruto da árvore de tamarindo africano é extremamente eficaz na remoção de flúor do corpo. Um estudo descobriu que as crianças que receberam tamarindo excretaram significativamente mais flúor na urina em comparação com o grupo controle, e podem interromper ou mesmo reverter os efeitos da fluorose esquelética. [5] [6]

 

2. Bórax

Misture 1/4 colher de chá de bórax (ou borato de sódio) em um litro de água e tome-o em pequenas quantidades ao longo de um dia ou dois. Consulte o seu médico antes de usar este método.

 

3. Zeólitos

Esses cristais produzidos vulcanicamente foram recentemente descobertos como uma maneira poderosa de desintoxicar seu corpo. Eles quebram o cálcio endurecido que se forma em torno de metais tóxicos no tecido e remove esses metais pesados ​​do corpo.

 

4. Limpeza

A limpeza regular permite que o corpo remova naturalmente toxinas e metais pesados ​​do corpo, incluindo o flúor.

 

5. Iodo

Os halogenetos como o flúor, o cloro e o bromo se acumulam no seu tecido se você tiver deficiência de iodo, o que é um problema crescente em todo o mundo. Se você cortar o sal e não comer muitos frutos do mar, há uma boa chance de você ser deficiente. Os sintomas da deficiência de iodo incluem fadiga crônica, doença da tiróide, sensação de frio ou baixa temperatura corporal e desequilíbrio hormonal. Para obter mais iodo, coma alimentos ricos em iodo ou tome um suplemento de iodo coloidal para o melhor resultado.

Referencias

  1. Schmid H.A. Decreased Melatonin Biosynthesis, Calcium Flux, Pineal Gland Calcification and Aging: A Hypothetical Framework. Gerontology 1993;39:189 199.
  2. Jennifer Anne Luke. The Effect of Fluoride on the Physiology of the Pineal Gland. Extratos das páginas: 1-9; 51-53; 167-177. 1997.
  3. Zimmerman RA, Bilaniuk LT. Age-related incidence of pineal calcification detected by computed tomography. Radiology. 1982 Mar;142(3):659-62.
  4. Mitchell DM1, Henao MP, Finkelstein JS, Burnett-Bowie SA. Prevalence and predictors of vitamin D deficiency in healthy adults. Endocr Pract. 2012 Nov-Dec;18(6):914-23. doi: 10.4158/EP12072.OR.
  5. Khandare AL1, Kumar P U, Shanker RG, Venkaiah K, Lakshmaiah N. Additional beneficial effect of tamarind ingestion over defluoridated water supply to adolescent boys in a fluorotic area. Nutrition. 2004 May;20(5):433-6.
  6. Khandare AL1, Rao GS, Lakshmaiah N. Effect of tamarind ingestion on fluoride excretion in humans. Eur J Clin Nutr. 2002 Jan;56(1):82-5.

O artigo acima foi escrito por Dr. Edward Group DC, NP, DACBN, DCBCN, DABFM

n3m3

Termos recentes de pesquisa:


Compartilhe com amigo(a)s! Obrigado. :)