Mulher cura sua demência ao mudar a dieta – Mal de Alzheimer

Compartilhe com as pessoas queridas:

Sylvia e seu filho Mark. Foto: The Hearty Soul

De vez em quando, ouvimos histórias que são simplesmente milagres médicos. Aparentemente, parece ser o caso de Sylvia Hatzer, de 82 anos, que realmente reverteu sua demência, recorrendo a uma dieta mediterrânica tradicional. No entanto, não foi apenas sorte e um salto de fé, esta é realmente uma decisão apoiada pela ciência.

Foto: The Hearty Soul

Para entender esse incrível feito, você deve primeiro perceber o quão abrangente a demência pode ser. De acordo com a Sociedade de Alzheimer, a demência pode ser classificada da seguinte forma:

-Perda de memória dia-após-dia, como esquecer detalhes do seu dia

-Dificuldade de planejamento, organização ou concentração

-Incapacidade de acompanhar em uma conversa

-Problemas de aferição a percepção de profundidade ou das distâncias

-Às vezes, sentindo-se perdido ou confuso sobre o ambiente que o rodeia

Segundo a maioria dos relatos, Hatzer estava sentindo todos esses sintomas e até começara a esquecer o nome de seu filho, Mark Hatzer. No início, ela só apresentava pequenos sinais de perda de memória, mas dentro de um ano do seu diagnóstico, ela foi internada em um hospital para sua própria segurança. Depois de permanecer no hospital por dois meses, ela foi liberada com o prognóstico de que os sintomas provavelmente piorariam com o tempo.

Em vez de depender apenas de medicamentos, Mark decidiu que deveria tentar uma rota alternativa. Ele ouvira falar de pesquisas que provavam que a demência era incrivelmente baixa nos países mediterrâneos e a provável razão era por causa de sua dieta. Se funcionasse para pessoas de todo o mundo, talvez também funcionasse para a mãe dele. Acoplando esta abordagem com exercícios cognitivos e atividade física, Sylvia lentamente começou a mostrar sinais de melhora.

Sobre a experiência, Mark disse:

Não foi um milagre da noite para o dia, mas depois de alguns meses ela começou a lembrar coisas, como aniversários, e estava se tornando o que era antes, mais alerta, mais engajada. As pessoas pensam que uma vez que você recebe um diagnóstico desses, sua vida está no fim. Você terá dias bons e ruins, mas não precisa ser o fim.

Então, no que exatamente uma dieta mediterrânea consiste?

De acordo com a Mayo Clinic, nos EUA, uma dieta mediterrânica tradicional inclui peixe, nozes, frutas, vegetais e grãos integrais. As pessoas devem principalmente injerir alimentos que tenham a forma de cérebros, como amêndoas e mirtilos porque, como sugere suas formas, são adequados para o desenvolvimento do cérebro. É uma maneira mais saudável de comer que limita as gorduras insalubres. Enquanto ajudam o desenvolvimento cognitivo, eles podem simultaneamente promover a perda de peso ou outros problemas associados à obesidade.

O que é ainda mais fascinante do que o fato de que essa dieta pode retardar a progressão dos sintomas de demência, um estudo recente também indicou que pode ajudar as pessoas a evitar completamente a doença.

Na conferência internacional da Associação de Alzheimer de julho de 2017, os resultados da pesquisa foram apresentados. Depois de avaliar cerca de 6.000 participantes, os indivíduos que optaram pela dieta mediterrânea tinham 30-35% menos probabilidade de apresentar comprometimento cognitivo durante suas vidas.

À medida que aprendemos mais sobre a demência e o que podemos fazer para retardar sua progressão ou evitá-la completamente, são histórias como a de Sylvia que nos dão a esperança de que precisamos continuar pesquisando e aplicar essas descobertas. Como a história de Sylvia prova, pequenas mudanças podem significar um impacto enorme em sua vida.

(Fonte)


Compartilhe com as pessoas queridas: