Síndrome do Sábio: Uma pessoa pode se tornar um sábio instantaneamente, e ninguém sabe o porquê

Compartilhe com as pessoas queridas:

Síndrome do Sábio: Uma pessoa pode se tornar um sábio instantaneamente

Síndrome do Sábio, ou savantismo, vem em diferentes formas. Na síndrome congênita do sábio, a extraordinária habilidade surge na primeira infância. Na síndrome adquirida do sábio, novas habilidades surpreendentes, tipicamente na música, arte ou matemática, aparecem inesperadamente em pessoas comuns após um traumatismo craniano, derrame ou outro incidente do sistema nervoso central (SNC) onde tais habilidades ou interesses não estavam presentes antes do incidente.

Mas, na súbita síndrome do sábio, uma pessoa comum sem tal interesse ou capacidade, sem nenhuma lesão precipitante ou outro incidente do SNC, tem um momento epifanico espontâneo e imprevisto, em que as regras e complexidades da música, da arte ou da matemática, por exemplo, são experimentadas e reveladas, produzindo uma superdotação e capacidade quase instantâneas de conjuntos de habilidades na área afetada. Como não há nenhuma deficiência subjacente, como a que ocorre em síndromes de sábio congênitas ou adquiridas, esta síndrome tecnicamente súbita de savantismo seria melhor denominada como genialidade súbita.

O caso de K. A.

Um cavalheiro de 28 anos de Israel, K. A., enviou sua descrição de seu momento de epifania. Ele estava em um shopping onde havia um piano. Considerando que ele poderia tocar músicas populares simples de memória, antes, “de repente, aos 28 anos, depois do que eu posso descrever melhor como ‘apenas começando’, tudo parecia tão simples. De repente eu estava tocando como um pianista bem treinado”. Seus amigos ficaram surpresos quando ele tocou e de repente entendeu a música de uma maneira totalmente intrincada:

De repente, percebi qual era a escala maior e a escala menor, quais eram seus acordes e onde colocar meus dedos para tocar certas partes da escala. Eu fui instantaneamente capaz de reconhecer as harmonias das escalas em músicas que eu conhecia, bem como a capacidade de tocar melodia por reconhecimento de intervalo. ”

Ele começou a pesquisar na internet por informações sobre teoria musical e para sua surpresa “mais do que eles ensinavam eu já sabia, o que me intrigou sobre como eu poderia saber algo que nunca havia estudado.”

K. A. tem um QI alto, é agora um advogado e não tem histórico de nenhum distúrbio do desenvolvimento. Ele ganha a vida, parcialmente, fazendo apresentações musicais. Ele descreveu sua epifania musical com muito mais detalhes em uma postagem na seção de artigos de www.savantsyndrome.com (artigo em inglês).

O caso de M. F.

Esta mulher de 43 anos acordou uma noite em dezembro de 2016, com o que chamou de “a necessidade urgente de desenhar uma infinidade de triângulos, que rapidamente evoluíram para uma teia de desenhos abstratos complexos. Eu fiquei acordada pela manhã com uma necessidade compulsiva de desenhar, o que continuou nos próximos três dias em um nível intenso.” Ela não tinha interesse prévio ou treinamento em arte. No terceiro dia, ela estava trabalhando em uma obra de arte que ela chamou de ‘O Maia’, que levou duas semanas para ser concluída. Três meses depois, ela criou 15 peças cujos estilos eram remanescentes de artistas como Frida Khalo e Picasso. Ela atualmente despende cerca de oito horas por dia em com sua arte, além de seu trabalho como agente imobiliário. Incorporada na maioria de suas obras de arte é o estilo mandálico do qual ela era totalmente inconsciente antes de sua habilidade artística repentina.

O caso de S. S.

Quando ela estava na casa dos 40 anos, S. S. começou a notar mudanças em sua percepção do mundo físico ao seu redor. Ela disse que quando olhava para coisas como árvores e flores, ela começou a ver cores, texturas e sombras de formas que nunca tinha visto antes. Essa nova maneira de ver as coisas a obrigou a expressar sua “nova visão” no papel. Ela nunca pintara antes em sua vida e não se sentia à vontade com um pincel, então comprou um conjunto de lápis pastel no Hobby Lobby, encontrou uma fotografia de um gorila na capa de uma antiga revista da National Geographic e sentou-se para desenhá-la. O resultado – uma pintura pastel rica e complexa, com um realismo incrível – surpreendeu seus amigos e familiares, particularmente à luz do fato dela nunca ter mostrado aptidão para a arte ou mesmo interesse, e nunca teve aulas de arte enquanto crescia.

Daquele ponto em diante, o desenho e a pintura pastel começaram a consumi-la a cada momento. Sua ‘nova visão’ não permitia que ela simplesmente sentasse e se maravilhasse com a beleza desse ‘novo’ mundo. Ela sentiu que tinha que agir sobre isso. Desde o início, esse dom de ver as coisas de uma maneira nova estava inextricavelmente ligada a um desejo compulsivo de reproduzir esse novo mundo no papel. Tornou-se uma obsessão que tomou conta de sua vida:

Achei quase impossível largar meus pastéis e fazer coisas que precisava fazer.

Eu estava gastando muito dinheiro no Hobby Lobby e em lojas de artigos de arte. Eu estava quase frenética.

Mesmo agora, quando ela precisa se concentrar em outras coisas mais prementes em sua vida, S. S. precisa colocar os pastéis e a arte de lado e guardá-los em um lugar onde ela não é tentada por eles, às vezes por meses a fio. Ela se preocupa em“começar uma nova pintura, que poderia descarrilá-la completamente”.

No caso de S. S., assim como em outros casos de gênio súbito, não há história de autismo ou lesão do SNC.

A singularidade do gênio súbito

Muitas pessoas adquirem uma nova habilidade ou hobby, especialmente mais tarde na vida. Então, o que há de diferente aqui?

  • A habilidade tem um início abrupto sem interesse prévio ou talento para a habilidade recém-adquirida.
  • Não há nenhum evento precipitante óbvio ou lesão ou doença do SNC.

  • A nova habilidade é automaticamente associada a um conhecimento detalhado do tipo epifania das regras subjacentes de música, arte ou matemática, por exemplo – nenhuma das quais a pessoa estudou. Eles sabem coisas sem nunca terem aprendido.

  • A nova habilidade é acompanhada de um componente obsessivo-compulsivo (TOC); existe a necessidade avassaladora de tocar música, desenhar ou computar. É tanto uma força quanto um presente, como é geralmente o caso das síndromes de sábio congênitas e adquiridas.

  • Existe um receio de que o dom e o TOC sejam a prova da perda da mente de uma pessoa e a tendência de esconder a nova habilidade de outras pessoas, em vez de exibi-la.

  • Eu tenho 14 desses casos agora. Dez são do sexo feminino e quatro são do sexo masculino. A idade média do início da nova habilidade é de 47,2 anos. A novas habilidades foram arte, pintura ou desenho em nove casos; matemática ou cálculo de calendário em quatro; música em um.

Estes casos chegaram ao meu conhecimento através de e-mails não solicitados por pessoas que procuravam explicações ou conselhos de pesquisas na Internet. Estamos no processo de explorar esses casos com um instrumento de pesquisa detalhado.

Daniel Tammet, um prodigioso sábio, é autor de Born on a Blue Day (Nascido Num Dia Azul – título em tradução livre). O modo como Daniel pode descrever seu mundo interior de maneira tão articulada deu aos cientistas uma janela pessoal e verbal para o cérebro, que eles nunca tiveram antes. Em um documentário filmado no Museu de Arte de Milwaukee, nos EUA, ele afirma:

A linha entre o talento profundo e a profunda deficiência parece ser realmente uma linha surpreendentemente fina. Quem sabe pode haver habilidades escondidas dentro de todos que podem ser aproveitadas de alguma forma.

De fato, o savantismo adquirido particularmente, e agora o savantismo repentino, reforça a ideia de que não apenas a linha entre o sábio e gênio é muito estreita, mas também ressalta a possibilidade de que tais habilidades de savantismo possam estar adormecidas, em um grau ou outro, em todos nós. O desafio é aproveitar essas habilidades especiais sem traumatismo craniano ou incidente no SNC, mas sim com alguns métodos não intrusivos, mais prontamente disponíveis.

Estamos trabalhando nisso.

(Fonte)

Quanto ao autor do artigo:

Darold A. Treffert, M.D., é um especialista em síndrome do sábio, com dois livros sobre o tema, o mais recente sendo “Islands of Genius: The Bountiful Mind of the Autistic, Acquired and Sudden Savant. (Ilhas de Gênios: A Abundante Mente do Sábio Autista, Adquirido e Súbito – título em tradução livre). Ele foi consultor do filme Rain Man. Ele mantém um site em www.savantsyndrome.com e www.treffertcenter.com, bem como um site pessoal em www.daroldtreffert.com.

 


Compartilhe com as pessoas queridas: